top of page
  • Writer's picturedavivalukas

O que é Design System: 5 componentes

Design system é uma coleção de padrões reutilizáveis e componentes visuais organizados e documentados de forma a facilitar o desenvolvimento e a manutenção de produtos digitais.


O design system inclui diretrizes e princípios que ajudam a garantir a consistência no design e na experiência do usuário em todas as partes de um produto ou conjunto de produtos.


Design System: 5 componentes


Aqui estão alguns componentes típicos de um design system:


  • Componentes de Interface

  • Padrões de Interação

  • Diretrizes de Estilo

  • Documentação

  • Ferramentas de Desenvolvimento


Design System: Componentes de Interface


Os componentes de interface são elementos essenciais em um design system, pois são os blocos de construção que compõem a interface do usuário (UI) de um produto digital. Esses componentes são projetados para serem reutilizáveis e consistentes em várias partes do sistema, o que facilita a manutenção e a escalabilidade do design.


Vamos aprofundar alguns dos componentes de interface mais comuns:


Botões


  • Tipos: Primário, secundário, terciário, ícones, botões de ação flutuante;

  • Estados: Normal, hover, ativo, focado, desativado;

  • Atributos: Tamanho, forma, cor, sombra, borda.


Tipografia


  • Fontes: Tipos de fontes utilizadas (serifadas, sans-serif, monoespaçadas);

  • Estilos: Pesos (normal, negrito), tamanhos, espaçamento entre letras e linhas;

  • Hierarquia: Títulos, subtítulos, parágrafos, legendas, citações.


Cores


  • Paleta Primária: Cores principais que representam a marca;

  • Paleta Secundária: Cores complementares que adicionam variedade;

  • Cores de Estado: Erro, sucesso, aviso, informação;

  • Acessibilidade: Contraste adequado para leitura, uso de cores para usuários daltônicos.


Formulários


  • Campos de Entrada: Texto, senha, e-mail, número;

  • Seletores: Checkboxes, radio buttons, dropdowns, listas de seleção;

  • Elementos de Interface: Labels, placeholders, mensagens de erro, validação em tempo real;

  • Atributos: Tamanho dos campos, espaçamento, alinhamento.


Ícones


  1. Estilos: Linear, preenchido, colorido, monocromático;

  2. Uso: Navegação, ações, estados (ex.: carregando, erro, sucesso);

  3. Tamanho e Espaçamento: Uniformidade no uso de ícones para garantir consistência visual.


Cards


  • Estrutura: Contêineres para conteúdo variado (imagens, texto, botões);

  • Uso: Exibição de produtos, artigos, perfis de usuário;

  • Estilos: Sombra, borda, arredondamento, espaçamento interno.


Modais e Diálogos


  • Função: Janela de interação que requer ação do usuário antes de retornar ao fluxo principal;

  • Elementos: Título, conteúdo, botões de ação (confirmar, cancelar);

  • Estilos: Sobreposição, fundo opaco, animação de entrada e saída.


Navegação


  • Menus: Menus principais, menus de hambúrguer, menus suspensos;

  • Barramento: Barras de navegação superior, inferior, lateral;

  • Breadcrumbs: Navegação de trilhas para indicar a localização do usuário dentro da aplicação.


Listas e Tabelas


  • Listas: Listas ordenadas, não ordenadas, listas de verificação;

  • Tabelas: Cabeçalhos, linhas, colunas, células, paginadores;

  • Estilos: Linhas zebras, bordas, espaçamento, alinhamento de texto.


Feedback


  • Alertas: Informações importantes, avisos, erros, sucessos;

  • Notificações: Temporárias (toast) ou persistentes;

  • Tooltips: Mensagens de ajuda ao passar o cursor sobre um elemento.


Documentação e Manutenção


Para garantir a eficácia dos componentes de interface, é essencial uma documentação detalhada que inclua:


  • Exemplos de Uso: Casos de uso práticos e exemplos de implementação;

  • Diretrizes: Instruções claras sobre quando e como usar cada componente;

  • Código: Exemplos de código, preferencialmente em diferentes frameworks e bibliotecas (React, Angular, Vue);

  • Acessibilidade: Orientações sobre como tornar os componentes acessíveis a todos os usuários, incluindo aqueles com deficiências.


Ferramentas e Repositórios


  • Storybook: Uma ferramenta para desenvolver e testar componentes de interface isoladamente;

  • Design Tokens: Variáveis usadas para armazenar valores de design como cores, fontes e espaçamento, facilitando a consistência e a manutenção;

  • Component Libraries: Repositórios centralizados (ex.: GitHub) onde os componentes são versionados e mantidos.


Os componentes de interface são fundamentais para criar uma experiência de usuário coesa e eficiente.


Um design system bem definido com componentes bem documentados e facilmente reutilizáveis permite que equipes de design e desenvolvimento trabalhem de forma mais rápida e colaborativa, garantindo que o produto final seja consistente, acessível e esteticamente agradável.


Design System


Design System: Padrões de Interação


Os padrões de interação são regras e diretrizes que definem como os componentes de interface devem se comportar em resposta às ações do usuário. Estes padrões são cruciais para criar uma experiência de usuário (UX) intuitiva e responsiva.


Vamos explorar detalhadamente como os componentes devem reagir em diferentes estados:


  1. Hover

  2. Foco

  3. Ativo

  4. Desativado

  5. Erro e Sucesso


Outros contextos relevantes.


Estado Hover


O estado hover ocorre quando o cursor do mouse passa sobre um componente interativo, indicando que ele pode ser clicado ou interagido.


  • Botões: Alteração de cor de fundo, sombra ou borda para indicar que o botão é clicável;

    • Exemplo: O fundo muda de azul claro para azul escuro ao passar o mouse.

  • Links: Mudança de cor, sublinhado ou efeito de destaque;

    • Exemplo: O texto muda de preto para azul e é sublinhado ao passar o mouse.

  • Cards: Efeito de elevação (sombra) ou alteração de borda;

    • Exemplo: O card é elevado levemente e exibe uma sombra ao redor.


Estado Foco


O estado foco é ativado quando um componente recebe foco de teclado, geralmente através da tecla Tab. Este estado é essencial para a acessibilidade.


  • Campos de Entrada: Realce da borda ou mudança de cor para indicar que o campo está ativo;

    • Exemplo: A borda do campo muda de cinza para azul.

  • Botões: Borda realçada ou mudança de cor similar ao estado hover;

    • Exemplo: Um botão pode exibir uma borda azul brilhante quando focado.

  • Links: Similar ao hover, com mudança de cor ou sublinhado;

    • Exemplo: O texto do link muda de preto para azul claro com sublinhado.


Estado Ativo


O estado ativo representa o momento em que um componente é clicado ou tocado, indicando que uma ação está sendo executada.


  • Botões: Alteração temporária de cor ou sombreamento para indicar que o botão foi pressionado;

    • Exemplo: O fundo do botão muda para uma tonalidade mais escura enquanto é pressionado.

  • Links: Mudança de cor ou estilo durante o clique;

    • Exemplo: O texto do link pode ficar cinza escuro ao ser clicado.

  • Cards: Pequena contração ou alteração visual para simular uma ação de clique;

    • Exemplo: O card se move ligeiramente para dentro ao ser clicado.


Estado Desativado


O estado desativado indica que um componente não está disponível para interação no momento.


  • Botões: Cor de fundo mais clara, texto apagado e cursor padrão (não interativo);

    • Exemplo: Um botão desativado pode ter um fundo cinza claro com texto cinza.

  • Campos de Entrada: Borda cinza claro, fundo cinza e texto apagado;

    • Exemplo: Um campo de entrada desativado tem uma borda e fundo cinza claro e o texto está desabilitado.

  • Links: Cor apagada e remoção de qualquer sublinhado.

    • Exemplo: O link desativado é cinza e não tem sublinhado.


Estados de Erro e Sucesso


Esses estados são usados para fornecer feedback ao usuário sobre a conclusão de uma ação ou a validação de dados.


  • Erro: Indica que uma ação falhou ou que há um problema a ser corrigido;

    • Exemplo: Um campo de entrada em estado de erro pode ter uma borda vermelha e exibir uma mensagem de erro.

  • Sucesso: Indica que uma ação foi concluída com êxito.

    • Exemplo: Um campo de entrada em estado de sucesso pode ter uma borda verde e exibir um ícone de confirmação.


Feedback de Carregamento


Componentes que indicam que uma ação está em progresso.


  • Spinners: Indicadores de carregamento que mostram que algo está processando;

    • Exemplo: Um spinner animado aparece no botão ao enviar um formulário.

  • Barras de Progresso: Indicam a porcentagem de conclusão de uma ação.

    • Exemplo: Uma barra de progresso que avança à medida que um arquivo é carregado.


Implementação de Padrões de Interação


Para garantir que os padrões de interação sejam consistentes e eficazes, considere as seguintes práticas:


  • Documentação: Detalhe todos os estados e interações em sua documentação de design system;

  • Prototipagem: Crie protótipos interativos para testar e refinar as interações;

  • Acessibilidade: Certifique-se de que todos os estados sejam acessíveis via teclado e leiam adequadamente por leitores de tela;

  • Testes de Usabilidade: Realize testes com usuários para garantir que as interações sejam intuitivas e eficazes;

  • Feedback Contínuo: Colete e analise o feedback dos usuários para aprimorar as interações.


Exemplos Práticos


  • Material Design: Fornece diretrizes claras para todos os estados de interação, incluindo animações e transições;

  • Bootstrap: Um framework CSS popular que inclui estilos padrão para estados de interação em seus componentes.


Conclusão


Os padrões de interação são fundamentais para criar interfaces de usuário que sejam intuitivas e responsivas. Implementar e documentar esses padrões cuidadosamente ajuda a garantir que os usuários tenham uma experiência consistente e agradável em todos os pontos de contato com o produto.


Design System


Design System: Diretrizes de Estilo


As diretrizes de estilo em um design system são fundamentais para garantir a coerência visual e a harmonia estética de um produto digital. Essas diretrizes abrangem uma variedade de elementos de design, incluindo cores, tipografia, espaçamento e imagens, e fornecem orientações claras sobre como cada um deve ser utilizado para criar uma experiência de usuário coesa e agradável.


Cores


As diretrizes de cores definem a paleta de cores que deve ser utilizada em todo o produto. Uma paleta bem definida geralmente inclui cores primárias, secundárias e neutras.


As cores primárias são aquelas que representam a identidade da marca e são usadas em elementos de destaque, como botões e links. As cores secundárias complementam as primárias e são usadas para criar variedade e hierarquia visual. Cores neutras, como diferentes tons de cinza, são usadas para fundos, bordas e textos, ajudando a equilibrar a composição visual.


Além disso, as diretrizes de cores devem considerar a acessibilidade, garantindo que haja contraste suficiente entre o texto e o fundo para facilitar a leitura, especialmente para usuários com deficiências visuais. Ferramentas e normas, como o WCAG (Web Content Accessibility Guidelines), podem ser usadas para verificar o contraste e a legibilidade das cores escolhidas.

Tipografia


A tipografia é outro componente crucial das diretrizes de estilo. Ela define as fontes, tamanhos, pesos e espaçamentos que devem ser usados em diferentes tipos de texto, como títulos, subtítulos, parágrafos e legendas. A escolha das fontes deve refletir a personalidade da marca e ser legível em vários tamanhos de tela.


Os estilos tipográficos geralmente incluem uma hierarquia clara para diferenciar visualmente os níveis de importância do texto. Por exemplo, títulos podem usar uma fonte mais pesada e de maior tamanho, enquanto parágrafos usam uma fonte mais leve e de menor tamanho.


O espaçamento entre linhas (leading) e entre letras (tracking) também deve ser especificado para garantir uma leitura confortável e evitar a sensação de texto amontoado ou excessivamente espaçado.


Espaçamento


O espaçamento é essencial para criar um layout visualmente agradável e equilibrado. Diretrizes de espaçamento especificam as margens e o preenchimento (padding) que devem ser usados em componentes e elementos da interface. Essas diretrizes ajudam a manter uma consistência no alinhamento e na distribuição de elementos, evitando que a interface pareça desorganizada ou confusa.


Utilizar uma escala de espaçamento modular, onde os valores de espaçamento seguem uma progressão matemática, pode simplificar o processo de design e garantir a consistência. Por exemplo, uma escala que dobra os valores (4px, 8px, 16px, 32px, etc.) permite criar layouts que se adaptam bem a diferentes tamanhos de tela e resoluções.


Imagens


As diretrizes para o uso de imagens abordam aspectos como a escolha de imagens, estilo, formato e tratamento. As imagens devem ser selecionadas de forma a refletir os valores e a estética da marca, além de serem relevantes para o conteúdo apresentado.


O estilo das imagens pode incluir orientações sobre a paleta de cores (se as imagens devem ser coloridas ou em preto e branco), o uso de filtros, e a composição (ex.: close-ups, fotos de ambiente, etc.).


Outrossim, é importante especificar os formatos de arquivo recomendados (JPEG, PNG, SVG, etc.), tamanhos ideais e resolução mínima para garantir que as imagens sejam carregadas rapidamente e exibam boa qualidade em diferentes dispositivos. O uso de imagens responsivas, que se ajustam automaticamente ao tamanho da tela, é essencial para a experiência do usuário.


Conclusão


Em suma, as diretrizes de estilo em um design system são uma ferramenta essencial para criar uma experiência de usuário consistente e agradável. Elas garantem que todos os elementos visuais, desde cores e tipografia até espaçamento e imagens, trabalhem juntos de maneira harmoniosa. Seguir essas diretrizes ajuda a manter a identidade visual da marca, melhora a legibilidade e a usabilidade, e assegura que o produto seja acessível a todos os usuários.


Design System


Design System: Documentação


A documentação de um design system é uma parte essencial para garantir que todos os membros da equipe, desde designers a desenvolvedores, entendam como usar os componentes e padrões de forma correta e consistente. Uma documentação bem elaborada inclui explicações detalhadas sobre o uso de cada componente e padrão, exemplos práticos, diretrizes de implementação e boas práticas. Isso não só facilita a comunicação e a colaboração entre equipes, mas também garante que o produto final seja coeso e mantenha uma qualidade visual elevada.


Estrutura da documentação


A estrutura da documentação de um design system deve ser organizada de maneira clara e lógica, geralmente começando com uma visão geral do sistema e prosseguindo para detalhes mais específicos. Inicialmente, uma introdução fornece um panorama geral do design system, explicando sua importância, objetivos e a filosofia por trás de seu desenvolvimento. Seguindo a introdução, os princípios de design delineiam as bases conceituais que orientam todas as decisões de design, como simplicidade, acessibilidade e consistência.


Componentes de interface


Cada componente de interface deve ter uma seção dedicada na documentação, onde são descritos detalhadamente diversos aspectos importantes. A descrição oferece um resumo do que é o componente e qual é sua função principal. Em seguida, a seção de quando usar orienta sobre os contextos adequados para o uso do componente, enquanto a seção de como usar fornece instruções passo a passo sobre como implementar o componente, incluindo código de exemplo. É importante também detalhar as variações disponíveis, como botões primários, secundários e desativados, além dos estados que descrevem como o componente deve se comportar em diferentes situações, como hover, foco, ativo e desativado.


Padrões de interação


Os padrões de interação também precisam ser bem documentados para garantir uma experiência de usuário consistente e intuitiva. Isso inclui a descrição detalhada de cada padrão de interação, como feedback visual e comportamento dos componentes. Exemplos visuais, como capturas de tela ou animações que mostram os padrões em ação, são extremamente úteis. A documentação também deve incluir práticas recomendadas sobre como aplicar os padrões de maneira eficaz, com especial atenção às considerações de acessibilidade.


Diretrizes de estilo


As diretrizes de estilo, que abrangem cores, tipografia, espaçamento e imagens, devem ser claramente documentadas. Cada elemento de estilo deve ter uma explicação completa. As diretrizes de cores, por exemplo, devem incluir a paleta de cores com códigos hexadecimais, exemplos de uso e diretrizes de contraste. No caso da tipografia, é importante especificar as fontes recomendadas, tamanhos, pesos e exemplos de hierarquia tipográfica. O espaçamento deve ser bem detalhado com diretrizes de margens e preenchimento, incluindo exemplos de como aplicar a escala de espaçamento. As imagens devem ter recomendações de estilo, formatos de arquivo, tamanhos e resolução mínima.


Inclusão de exemplos práticos


A inclusão de exemplos práticos é fundamental para ajudar os usuários do design system a entender como aplicar os componentes e padrões em situações reais. Esses exemplos devem cobrir casos de uso comuns, cenários típicos onde os componentes e padrões são utilizados, e incluir trechos de código que mostram como implementar os componentes em diferentes frameworks e bibliotecas, como React, Angular e Vue. Prototipagem, com exemplos de protótipos interativos que demonstram o comportamento dos componentes em um contexto funcional, também é extremamente útil.


Boas práticas


Para assegurar a consistência e a qualidade do design, a documentação deve incluir uma seção sobre boas práticas. Essa seção pode abordar a importância de seguir as diretrizes para manter a uniformidade visual, considerações de acessibilidade para garantir que o design seja inclusivo e acessível a todos os usuários, sugestões para melhorar a comunicação e a colaboração entre designers e desenvolvedores, e orientações sobre como atualizar e expandir o design system conforme necessário.


Manutenção e atualização do design system


Finalmente, a documentação deve fornecer orientações sobre a manutenção e atualização do design system. Isso inclui o processo de revisão, detalhando como revisar e aprovar mudanças no design system, mecanismos para coletar feedback dos usuários do sistema e iterar sobre as diretrizes, e estratégias para versionar o design system e comunicar mudanças às partes interessadas.


Conclusão


Em resumo, a documentação de um design system é uma ferramenta vital para garantir a eficácia e a consistência de um produto digital. Ela fornece explicações detalhadas sobre como e quando usar cada componente e padrão, exemplos práticos, e boas práticas para a implementação. Uma documentação bem estruturada e abrangente não só facilita a colaboração entre as equipes de design e desenvolvimento, mas também assegura que o produto final ofereça uma experiência de usuário coesa e de alta qualidade.


Design System: Ferramentas de Desenvolvimento


Bibliotecas de código, snippets e outros recursos são elementos fundamentais de um design system, pois facilitam a implementação rápida e eficiente dos componentes. Esses recursos não só aceleram o processo de desenvolvimento, mas também garantem que todos os componentes sejam usados de maneira consistente em diferentes partes do projeto.


Bibliotecas de código


As bibliotecas de código são coleções de componentes pré-construídos e reutilizáveis, escritos em linguagens de programação como HTML, CSS e JavaScript. Essas bibliotecas permitem que os desenvolvedores integrem componentes de design de forma rápida e fácil em seus projetos, sem a necessidade de codificar tudo do zero. Elas podem incluir desde elementos simples, como botões e campos de entrada, até componentes mais complexos, como modais e carrosseis. Além disso, essas bibliotecas são geralmente bem documentadas, oferecendo instruções claras sobre como instalar e usar os componentes.


Snippets de código


Os snippets de código são trechos de código reutilizáveis que podem ser facilmente inseridos em um projeto. Eles são especialmente úteis para tarefas repetitivas ou para implementar padrões de design comuns. Por exemplo, um snippet pode incluir o código necessário para criar um formulário de login estilizado de acordo com as diretrizes do design system. Ao utilizar snippets, os desenvolvedores podem economizar tempo e garantir que os padrões de design sejam seguidos de forma consistente.


Outros recursos


Outros recursos, como ferramentas de prototipagem e exemplos de código, também desempenham um papel importante na implementação dos componentes de um design system. Ferramentas de prototipagem permitem que designers e desenvolvedores criem e testem rapidamente novos componentes antes de implementá-los em um projeto. Isso ajuda a identificar e corrigir problemas de usabilidade ou inconsistências de design antecipadamente. Exemplos de código, por sua vez, oferecem referências práticas sobre como os componentes devem ser utilizados em diferentes contextos, proporcionando uma base sólida para os desenvolvedores começarem seu trabalho.


Recursos adicionais


Além do mais, muitos design systems incluem recursos adicionais, como guias de estilo e templates de projeto. Os guias de estilo fornecem uma visão abrangente das diretrizes de design, incluindo paletas de cores, tipografia, espaçamento e outros elementos visuais. Templates de projeto, por outro lado, são estruturas pré-definidas que podem ser usadas como ponto de partida para novos projetos. Eles garantem que todos os projetos iniciem com uma base consistente, facilitando a manutenção da uniformidade visual ao longo do desenvolvimento.


Integração


A integração de bibliotecas de código, snippets e outros recursos no fluxo de trabalho de desenvolvimento não só melhora a eficiência, mas também aumenta a qualidade do produto final. Ao fornecer ferramentas práticas e de fácil acesso, os desenvolvedores podem focar mais em resolver problemas complexos e menos em tarefas repetitivas. Isso resulta em um desenvolvimento mais rápido e uma experiência de usuário mais coesa e refinada.


Conclusão


Em suma, bibliotecas de código, snippets e outros recursos são componentes essenciais de um design system. Eles facilitam a implementação dos componentes de design, asseguram a consistência visual e funcional do produto e aceleram o processo de desenvolvimento. Ao incorporar esses recursos no design system, as equipes de desenvolvimento podem trabalhar de maneira mais eficiente e produzir produtos de alta qualidade que aderem às diretrizes de design estabelecidas.


Benefícios de um Design System


  • Consistência: Garantia de que a interface e a experiência do usuário sejam uniformes em todas as plataformas e dispositivos;

  • Eficiência: Aceleração do processo de design e desenvolvimento, evitando a reinvenção da roda;

  • Escalabilidade: Facilitação da adição de novas funcionalidades e componentes sem comprometer a coesão do design;

  • Colaboração: Melhoria na comunicação entre designers, desenvolvedores e outros stakeholders, uma vez que todos trabalham com um conjunto comum de padrões e diretrizes.


Exemplos de Design Systems Populares


  • Material Design: Criado pelo Google, amplamente utilizado em aplicativos Android;

  • Polaris: Usado pelo Shopify para manter a consistência em suas plataformas de e-commerce;

  • Carbon: Desenvolvido pela IBM, utilizado em suas aplicações corporativas.


Um design system bem implementado pode ser um recurso valioso para qualquer organização, ajudando a criar produtos de alta qualidade de forma mais rápida e eficiente.


É isso!

Davi Valukas - Alpha EdTech

留言


bottom of page