• davivalukas

2 Histórias Inspiradoras

Updated: Jun 10

No mês passado eu te contei um pouco da história do Bruno, da Layssa e do João. Se você ainda não leu esse artigo super bacana, clique aqui e resolva essa pendência agora!


Pois bem, hoje eu vou te contar mais duas histórias que valem a pena serem ouvidas (ou lidas, no caso). Estou falando do Rodolfo e do Lucas, dois aspirantes nordestinos mega talentosos com quem eu tive o privilégio de bater um papo muito interessante.


O Rodolfo é de Riachão do Bacamarte, no interior da Paraíba, enquanto o Lucas é de Morada Nova, interior do Ceará. Dois estados com história e cultura riquíssimas, que nos presentearam com dois aspirantes bastante engajados.


Continue comigo para conhecer um pouco da história dos dois. Vamos lá?


Conheça a história do Rodolfo


Hoje com 30 anos de idade, Rodolfo nasceu na cidade de Campina Grande, o segundo município mais populoso do estado, ficando atrás apenas da capital, João Pessoa. Contudo, aos 8 meses de idade ele foi deixado por seus pais, que foram tentar a sorte no Rio de Janeiro.


Desde então, Rodolfo foi criado por seus avós, na zona rural do Ingá, também na Paraíba. Não era uma vida tão fácil, pois eles viviam em uma casa de taipa, feita com pedras, barro e pedaços de pau. Para terem água, era preciso andar pelo menos 10 quilômetros (contando ida e volta) com baldes em cima de um jegue.


O sustento da família vinha da plantação, que nem sempre supria os 5 filhos do casal. Contudo, desde sempre e apesar das dificuldades, Lucimar e Maria José, tias de Rodolfo, viam que o caminho para fugir da situação estava na educação. Parece um clichê dizer isso, mas elas tinham plena razão!

Foi a partir desse pensamento que as duas saíram de casa bem novas e foram trabalhar em casas de família, com o objetivo de realizarem o sonho de se tornarem professoras. E elas conseguiram, apesar de todos os percalços!


Graças à força e à atitude das tias Lucimar e Maria José, o destino de Rodolfo mudou, pois uma semente foi plantada dentro de si, e até os dias atuais ela está profundamente enraizada. Hoje, a educação é um dos pilares que o jovem usa para atingir seus objetivos.


Atualmente, Rodolfo estuda Engenharia de Software e é Desenvolvedor na Stone, uma das parceiras do projeto Alpha EdTech.


Antes de encontrar o projeto Alpha EdTech, Rodolfo estava desempregado, porém sempre estudando por conta própria e procurando meios de se recolocar no mercado de trabalho. Todavia, a situação não era favorável, já que ele não possuía um direcionamento, problema que foi solucionado quando descobriu o nosso processo seletivo em um anúncio no portal do Estadão, importante jornal paulista.


Rodolfo me contou que achou todas as etapas do processo seletivo interessantes, mas que a dinâmica do grupo foi o ápice. Lá, ele pôde desenvolver um case baseado em uma necessidade real do mundo, além de ter feito amigos incríveis que o acompanham desde o início de sua jornada no Alpha EdTech.


Outra percepção de Rodolfo é a de que a barra do curso é muito alta, e ele não estava acostumado com isso. Dessa forma, sentiu um pouco de dificuldade no começo.


Além disso, durante a formação ele teve um problema de saúde que o levou a pensar em desistir por inúmeras vezes, pois achava que não iria conseguir superar aquele momento terrível de sua vida. Porém, ele dá graças a Deus, à família, aos amigos e, em especial, ao Samir e à Nuricel, por ter dado a volta por cima e ter conseguido permanecer no projeto e ser contratado por uma empresa parceira.


Em relação aos desafios enfrentados desde sua entrada na Stone, no princípio Rodolfo teve muito medo de não estar preparado, porém com o suporte do Alpha EdTech e da própria empresa, ele pôde perceber que lá existe uma cultura de acolhimento bem forte.


Para finalizar nosso papo, Rodolfo deixou um agradecimento especial ao seu mentor Victor, que agora é também o seu líder, pois ele o tem ajudado a se desenvolver diariamente para atingir os objetivos propostos. Além disso, ele deixou uma mensagem para quem deseja passar pelo processo seletivo do Alpha EdTech:


“Acho que o principal é gostar de aprender a aprender. Junta isso com resiliência e soma com persistência; acho que essa é a fórmula para o sucesso”.


Muito inspiradora a história do Rodolfo, não é verdade? Continue comigo, pois ainda não acabou. Vamos conhecer agora um pouquinho da história do Lucas.


Conheça a história do Lucas


A vida do Lucas sempre foi de muito trabalho. Quando criança e também na adolescência, ele ajudava muito seus pais nos trabalhos do campo, que iam desde o plantio e colheita de feijão e milho, até lidar com a criação de bovinos e suínos. Sua família não tinha boas condições financeiras, por isso seu pai sempre incentivou a ele e seus irmãos a estudarem como um caminho para uma vida melhor.


A trajetória de estudos de Lucas em busca de uma carreira começou no curso Tecnólogo em Mecatrônica Industrial, no Instituto Federal do Ceará (IFCE). Porém, como o curso era em uma cidade vizinha, chamada Limoeiro do Norte, todos os dias ele precisava viajar de ônibus para frequentar as aulas, uma rotina tão difícil quanto o trabalho na roça.

Quando terminou o curso, Lucas não encontrou oportunidades de atuação na região onde morava. Além disso, ele não possuía condições financeiras para se mudar para uma cidade grande em busca de oportunidades. Por conta disso, sua decisão foi a de permanecer na cidade e trabalhar na oportunidade que surgisse.


Dessa maneira, Lucas passou um período trabalhando no setor fiscal de uma loja de materiais de construção de sua cidade. O trabalho não tinha relação com sua formação acadêmica, mas trabalhar era necessário.


Mesmo assim, ele nunca perdeu a vontade de continuar os estudos em busca de condições melhores de vida, tanto para si, quanto para sua família.


Sendo assim, influenciado pelo setor em que estava atuando, Lucas entrou em um curso Técnico em Edificações no IFCE de sua cidade. Quando concluiu o curso, viu a oportunidade de cursar Engenharia Civil, também no IFCE de Morada Nova. Como o curso superior era em tempo integral, ele teve que fazer a escolha de deixar o trabalho e passar a se dedicar exclusivamente aos estudos.


Entretanto, estudar não pagava as contas, e ele decidiu fazer os famosos bicos na área da construção civil, já que possuía formação técnica em Edificações. Novamente, Lucas se viu na situação que já enfrentara anteriormente, pois em sua cidade não se oferecia muitas oportunidades, de modo que chegou ao ponto de não ser mais possível continuar cursando Engenharia Civil de forma integral.


A decisão então foi de buscar oportunidades de trabalho na capital do estado e trancar a matrícula da Engenharia Civil. Nessa época, Lucas trabalhou em algumas empresas da região como garçom e depois numa fábrica de calçados, como almoxarife.


Foi nesse momento de sua vida que Lucas percebeu que poderia haver uma oportunidade de crescimento profissional na área de tecnologia, mais especificamente em programação. Depois de ver muitos anúncios de cursos, ele começou a pesquisar, mas inicialmente não foi possível iniciar em nenhum deles, pois todos estavam além de seu orçamento.


Depois de algum tempo, Lucas tomou conhecimento de empresas que ofereciam treinamento para pessoas que tivessem interesse em entrar na área de TI, sendo possível que o interessado pudesse pagar o curso depois que já estivesse trabalhando.


Em suas pesquisas, Lucas chegou a um anúncio no Instagram de uma instituição paulista chamada Instituto Alpha Lumen, que estava oferecendo esse mesmo tipo de treinamento para pessoas de baixa renda ou em vulnerabilidade social. O nome do projeto era Alpha EdTech. Ele fez sua inscrição, mas não imaginava que pudesse ser aprovado em sua primeira tentativa. O jovem cearense estava disposto a tentar novamente se fosse necessário.


Lucas me contou que o processo seletivo foi bastante longo para os padrões aos quais ele estava acostumado. Além disso, na etapa de trabalho em grupo ele acredita que não tenha ido nada bem, pois o computador que possuía não tinha microfone nem câmera. Contudo, ele foi chamado para uma entrevista, que foi bem descontraída. O rapaz se lembra bem de ter dito durante o papo que seu sonho era o de fazer algo significativo e que fizesse diferença para a sociedade.


O que mais chamou a atenção de Lucas durante a entrevista foi o foco humanizado, ou seja, no Lucas pessoa, não no Lucas profissional. A experiência da entrevista elevou consideravelmente suas esperanças de aprovação.


Depois de ser aprovado, ele considera que os seis primeiros meses de curso foram bastante puxados, com muito conteúdo aprendido. Porém, estar na primeira turma era de uma grande alegria para ele. Além disso, foi interessante estar na turma número um, o que fez com que a equipe do Alpha ajustasse o ritmo ideal do curso através dela.

Após o primeiro ciclo, o ritmo diminuiu, e logo em seguida veio a grande notícia de que as empresas parceiras estavam acolhendo os aspirantes. Lucas foi acolhido pela Stone, que ele considera uma empresa incrível para se trabalhar.


Para finalizar nossa conversa, Lucas achou interessante deixar uma dica para você, que deseja participar do próximo processo seletivo do projeto Alpha EdTech. Ele relata que o que trouxe até aqui foi o intenso esforço em fazer sempre o melhor. A timidez no início do treinamento foi um grande entrave, mas admitir a si mesmo o que era naquele momento e que iria se esforçar para melhorar, somado a todo o apoio dado pela equipe do Alpha EdTech, fez com que ele pudesse evoluir em muitas áreas de sua vida.


“Eu acredito que isso sirva para todos os que desejam entrar no projeto. Sejam o melhor que vocês puderem!”


Para encerrar


E aí, gostou das 2 histórias de sucesso de hoje? Fique ligado em nossos próximos artigos. E se você quer participar do nosso processo seletivo, clique aqui e saiba como!


Um abraço e até a próxima!


Davi Valukas - Alpha EdTech


43 views0 comments